Irmão de Djidja apresentou cetamina à família após viajar a Londres, onde faria tratamento contra drogas, diz delegado

  • 11/06/2024
(Foto: Reprodução)
Ao retornar para Manaus, Ademar conheceu um casal que lhe apresentou a droga na forma em pó. Depois, ele, a mãe e a irmã fizeram experimentos para descobrir qual seria a melhor forma de usar a substância, visando render mais aplicações e consumo, segundo a polícia. Ademar Cardoso, irmão da ex-sinhazinha achada morta em Manaus Redes sociais O irmão de Djidja Cardoso, Ademar Farias Cardoso Neto, de 29 anos, apresentou a cetamina para família após ter contato com a droga durante uma viagem a Londres, onde faria um tratamento contra dependência química. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (10) pelo delegado Cícero Túlio, que conduz a investigação sobre a atuação do grupo religioso "Pai, Mãe, Vida", criado pela família da ex-sinhazinha do boi Garantido e que promovia o uso indiscriminado da substância anestésica que causa alucinações e dependência. O delegado afirmou que, antes de viajar para Europa, Ademar e familiares tiveram contato com outras drogas. Por isso, ele teria ido a Londres, para realizar uma espécie de tratamento. Ao retornar para Manaus, ele conheceu um casal que lhe apresentou a cetamina na forma em pó. “A partir de então, ele e seus familiares começaram a fazer uma espécie de experimentação para descobrir qual seria a melhor forma de utilização, visando render mais aplicações e consumo. Foi assim que chegaram à forma de aplicação subcutânea, que permite a injeção do medicamento diretamente no tecido que fica abaixo da camada superficial da pele e acima do tecido muscular”, explicou o delegado. De acordo com o delegado, Cleusimar Cardoso, mãe de Djidja e de Ademar, além de usar a droga, começou a realizar uma espécie de culto onde fazia uma interpretação equivocada da doutrina apresentada no livro "Cartas de Cristo". A partir de então, eles passaram a cooptar outras pessoas, principalmente funcionários do salão de beleza de Cleusimar a participarem do grupo religioso que forçava o uso da droga para alcançar uma falsa plenitude espiritual. Polícia explica cronologia dos crimes envolvendo a seita e a família de Djidja Cardoso LEIA TAMBÉM: Cetamina: entenda o que é a droga usada em ritual mantido por presos após morte de Djidja Cardoso Entenda como funcionava o grupo religioso liderado pela família de Djidja Cardoso, encontrada morta com sinais de overdose Caso Djidja: CNPJ de salão de beleza da família Cardoso tem registro de atividade veterinária Entenda como funcionava o grupo religioso Segundo a Polícia Civil, o caso estava sendo investigado há 40 dias, e Djidja Cardoso também fazia parte do esquema. O grupo, que envolvia também a mãe da ex-sinhazinha, Cleusimar Cardoso, e o irmão dela, Ademar Cardoso - ambos presos desde o dia 30 de maio - realizava rituais em que promoviam o uso indiscriminado de cetamina, droga sintética de uso humano e veterinário. Além da cetamina, um novo desdobramento das investigações apontou que o grupo também utilizava anabolizantes e outras drogas. Ao todo, 10 pessoas estão presas por ligação com o esquema. De acordo com a polícia, as evidências apontam que os rituais eram realizados dentro dos salões de beleza e na residência da família. Nos locais foram encontrados ampolas de cetamina, dezenas de seringas e agulhas. Em publicações nas redes sociais, o irmão da ex-sinhazinha se apresentava como um tipo de “guru” que poderia ajudar as pessoas a “sair da Matrix”, que seria ir para o "plano superior" citado pelo grupo. Ademar e a mãe também possuem o nome do grupo tatuado no corpo. Além de tráfico de drogas e associação para o tráfico, entre os crimes dos quais Ademar é suspeito estão: aborto induzido sem o consentimento da gestante, estupro de vulnerável, sequestro, cárcere privado e colocar em risco a saúde ou a vida de terceiro. Causa da morte de Djidja Djidja, que por cinco anos foi uma das estrelas do Festival de Parintins, foi encontrada morta no último dia 28 de maio. O laudo preliminar do Instituto Médico Legal (IML) aponta que a morte da ex-sinhazinha foi causada por um edema cerebral que afetou o funcionamento do coração e da respiração. O laudo, no entanto, não aponta o que teria levado Djidja ao quadro. A principal hipótese da polícia é de que a morte da ex-sinhazinha tenha relação com uma overdose de cetamina. O resultado final da necrópsia e o exame toxicológico devem ficar prontos ainda este mês. Imagens mostram últimas horas de Djidja Cardoso com vida

FONTE: https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2024/06/11/irmao-de-djidja-apresentou-cetamina-a-familia-apos-viajar-a-londres-onde-faria-tratamento-contra-drogas-diz-delegado.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Top 5

top1
1. Deus Proverá

Gabriela Gomes

top2
2. Algo Novo

Kemuel, Lukas Agustinho

top3
3. Aquieta Minh'alma

Ministério Zoe

top4
4. A Casa É Sua

Casa Worship

top5
5. Ninguém explica Deus

Preto No Branco

Anunciantes